Ode a Otero

Thalita Ezequiel

Otero – nunca critiquei. Exceto em quase todos os textos anteriores nos quais o jogador foi mencionado. No entanto, ontem, contra o Coritiba, ele mostrou “que qualidade tem esse venezuelano”! Com um gol logo no início da partida e uma pintura, digna de prêmio Puskas, do meio da rua, já no final do primeiro tempo, Otero abriu o caminho para uma vitória tranquila, na 36ª rodada do Brasileirão.

O jogo foi bem diferente do que vimos nas últimas rodadas. Possivelmente, o nível e a postura do adversário em campo facilitaram a vitória. Mas, certamente, o Galo entrou com outro espírito na partida, agredindo a equipe paranaense e buscando os três pontos durante toda a primeira etapa. E, ao contrário dos jogos anteriores, não precisou correr atrás do prejuízo depois do intervalo, somente administrando o resultado de 3 a 0.

Tivemos a oportunidade de ver Yago começando o jogo e mostrando que, apesar de afobado em alguns lances, tem potencial. A dupla com Elias funcionou, com maior consistência defensiva e combatividade. Também vimos o primeiro gol de Leonardo Silva nesse ano, novamente no manjado cruzamento partindo do lateral de Marcos Rocha. E presenciamos, ainda, um pique de Robinho para cobrir a lateral direita em um ataque do Coxa.

O Galo chegou aos 50 pontos na tabela e, ajudado por uma rodada favorável, ao oitavo lugar. Num campeonato espremido com esse, a vaga na Libertadores volta a ficar mais próxima. Ainda não se sabe se a permanência de Oswaldo de Oliveira está condicionada a esse objetivo, mas o técnico conseguiu dar um mínimo padrão de jogo e motivar a equipe. Merece o nosso agradecimento, mas ainda tenho muitas dúvidas se vale a continuidade no ano que vem.

 

Foto: Bruno Cantini / Atlético