Acaba logo, 2017

Thalita Ezequiel

No finalzinho do Brasileirão 2017, com o Corinthians (infelizmente) se sagrando campeão, o atleticano teve que aguentar mais um primeiro tempo de dar calo nas vistas. A partida contra o Vasco certamente não seria fácil. Era uma disputa direta por posição e o time carioca está vivendo um bom momento. No entanto, o Galo mostra que 2017, realmente, já deu o que tinha que dar.

O começo da partida até parecia promissor, com uma chance de Fred logo no início. Mas o Vasco rapidamente dominou a partida, contando com Nenê inspirado na armação das jogadas e com a moleza e o desinteresse de todo o sistema defensivo atleticano. Até Fábio Santos, o jogador mais regular da temporada, conseguiu fazer uma partida ruim, falhando no gol cruzmaltino.

Quando eu achava que veria um dos piores jogos do time na temporada, a água benta que os jogadores tomam no vestiário deu certo mais uma vez. A comissão técnica poderia muito bem dar a benção antes do início dos jogos, de forma que não fosse necessário correr atrás do placar sempre. Até Otero, que perdeu todas as posses de bola na primeira etapa e ficou perdido na marcação, voltou bem e participou de três lances decisivos, inclusive da construção do gol de empate de Fred.

Após alguns milagres de São Victor e chances desperdiçadas no nosso ataque, o empate acabou refletindo o que foi o jogo e o que é a equipe do Galo. A defesa é fraca, Elias não marca ninguém e mostra uma displicência irritante, Otero e Valdívia não são efetivos na construção de jogadas e na recomposição. O ataque respira, com Robinho e Fred crescendo de produção na reta final, mas carecendo de alguém que coloque a bola com qualidade para as finalizações.

Assim, caminhamos para as três rodadas finais, já sem muita esperança de vaga na Libertadores e sonhando com um 2018 melhor. Nos bastidores, já se fala em novo comando para 2018. O nome de Cuca ainda ronda a Cidade do Galo, mas Jair Ventura ganha força como opção. Seria hora de apostar novamente ou não seria melhor jogar as fichas em alguém que sabe montar elencos e já conhece o caminho das pedras?

Foto: Bruno Cantini / Atlético