Final arrastado

Thalita Ezequiel

O Brasileirão 2017 caminha a passos lentos para o seu fim. Faltando apenas quatro rodadas para o seu término, o Galo ainda está naquele meio de tabela sem graça, na décima posição, sem saber ao certo se ainda briga pela vaga para a Libertadores. O rebaixamento, pelo menos, já parou de nos assombrar, com os 46 pontos garantidos. Às vezes, empolgamos um pouquinho, mas é só ver alguns jogos para o time nos contagiar com sua apatia.

E não foi diferente na partida de ontem, contra o Bahia. Após iludir os torcedores com um gol logo aos cinco minutos, o time parou de jogar e só o fez novamente quando o Bahia virou o jogo, no segundo tempo. Aí decidiu jogar mais dez minutinhos, empatou e voltou à mediocridade marcante de 2017. Vivendo de lampejos de alguns jogadores ou de rompantes de vontade, chegamos a novembro sem a tão sonhada constância.

Para não dizer que estou muito pessimista, destaco alguns pontos positivos do jogo. O primeiro não poderia deixar de ser Robinho. Com dois gols marcados, o jogador mostra que pode render muito na posição certa e abre passagem para a renovação de seu contrato. Outro destaque fica por conta da zaga reserva, que, principalmente no primeiro tempo, se mostrou muito segura, apesar de algumas presepadas de Roger Bernardo. Ressalto, também, a participação de Yago, que está crescendo de produção. O jogador tem suas limitações, mas vejo que tem espaço e vontade para evoluir. Por último, elogio a entrada de Gustavo Blanco, no segundo tempo. Antes da contusão, o volante já dava mostras de que conquistaria seu espaço. Na sua volta, entrando nos dois últimos jogos, ele se firma como alternativa importante, principalmente para o ano que vem.

Na próxima rodada, o Galo enfrenta o Vasco, no Rio de Janeiro. O time carioca é adversário direto na luta pela vaga na Libertadores e está em ascensão no campeonato. A partida é fundamental para definir se vamos, de fato, brigar por mais alguma coisa nesse Brasileirão, ou se vamos somente cumprir tabela, torcendo para que esse ano pare de se arrastar até o fim.

Foto: Bruno Cantini / Atlético