Torcida ganha jogo sim!

 

Bárbara Ezequiel

A Copa do Brasil está chegando ao fim. Nas últimas semanas tenho pensado sobre nossa jornada ao longo desta edição. Ao contrário do Flamengo, entramos ainda na primeira fase e nosso caminho até aqui foi duro, eliminamos times tradicionais, em jogos árduos, emocionantes. Não é qualquer coisa chegar a uma final, após eliminar São Paulo, Chapecoense, Palmeiras e Grêmio. Em nenhum desses duelos éramos favoritos. Vencemos cada um deles com pés no chão e humildade.

A lição que devemos tirar desse percurso é amadurecimento: aprender com os erros cometidos ao longo do caminho para não repeti-los, ter consciência das dificuldades envolvidas em uma competição dessa grandeza e acreditar no trabalho realizado e na competência da equipe.

Cruzeiro tem totais condições de ser pentacampeão e vai lutar por isso. A confiança e o otimismo devem se manter, mas que isso não seja confundido com soberba e arrogância. O Flamengo não é um time qualquer, é time grande, de torcida apaixonada e elenco forte (mesmo que muitos deles não possam jogar a Copa do Brasil).  Não cometamos o mesmo erro dos gaúchos, que já nos davam como vencidos. Sejamos humildes sempre.

O jogo no Maracanã foi duríssimo, como já era esperado, mas o resultado foi estratégico, trouxemos a decisão para nossa casa (com direito a show da torcida cruzeirense). Para as próximas semanas, teremos papel fundamental, assim como foi contra o Grêmio, em que a energia estava diferente a semana toda. Desde 2014, eu não sentia uma sensação tão boa, tão positiva, dessa relação time-torcida. Foi aquele tipo de semana que nos lembra do porquê amamos tanto esse clube.

Aquele pessimismo que vimos nas redes sociais após o primeiro jogo tinha se dissipado. Cada torcedor que eu vi, à sua maneira, estava confiando que a classificação viria, mesmo os mais descrentes, ou exigentes. Cada um se apegou às suas memórias e razões para acreditar que o peso dessa camisa não iria falhar contra o ótimo time do Grêmio. Não estou falando em arrogância, mas sim em confiança, otimismo.

O clima no estádio estava perfeito, a torcida fez a parte dela, empurrou, cantou. Mandou vibrações positivas desde antes de a partida começar e até nos momentos mais tensos do jogo. O time correspondeu. Jogamos como gigantes que somos e a merecida classificação veio. É isso que eu espero da torcida cruzeirense no Mineirão e sei que será assim. Que venha logo o jogo da volta.

Foto: Rafael Ribeiro/Light Press/Cruzeiro