O Galo voltou?

Thalita Ezequiel

O que vimos ontem contra o Botafogo pela Copa do Brasil foi um alento para o torcedor atleticano. Confesso que dei uma choradinha de leve quando vi trocas de passes rápidas, tabelas e jogadas bem construídas. Cazares manteve sua boa fase e foi acompanhado por Robinho, que deu assistência, pedalou, apareceu para o jogo e ainda contribuiu muito defensivamente. Bem-vindo de volta, menino Robson!

Os volantes também surpreenderam, com Elias participando ativamente das jogadas ofensivas e impedindo a construção de jogadas pelo adversário no meio, e Rafael Carioca, que aparentemente decidiu jogar novamente. E o Carioca, quando quer, joga muito. Podia querer com mais frequência, não é mesmo? O gol saiu logo no início do primeiro tempo e deu tranquilidade para a equipe. A jogada começou com um lançamento errado do zagueiro botafoguense, uma transição rápida com Elias e assistência de Robinho para Cazares concluir na área. O Galo dominou as ações ofensivas e não deu campo para o adversário.

A volta da dupla de zaga com Léo Silva e Gabriel foi muito positiva. As duas linhas de quatro bem montadas, com recomposição eficiente de Luan e Robinho, além de partida consistente de Fábio Santos, permitiram que a defesa não tomasse gols e sofresse pouco enquanto o Galo esteve completo em campo. E é nesse momento que passamos para o segundo capítulo do jogo: a arbitragem. Ainda que a expulsão de Frederico tenha sido justa, o juiz tentou minar o time do Galo com lances que, muitas vezes, passam despercebidos. Cartões amarelos sem critério, faltas só para um lado, inversão de laterais e escanteios não marcados. Fato é que, mais uma vez, a arbitragem veio à nossa casa e nos prejudicou. Esperamos que a diretoria mostre alguma força nos bastidores, pois essa história de “contra tudo e todos” não costuma dar certo. A expulsão na primeira metade do segundo tempo levou à pressão do Botafogo e algumas chances de gol.

Mas ainda assim, a postura defensiva do Galo se manteve estável, sem aquele Deus nos acuda a que estamos acostumados nesses momentos. Ainda tivemos uma chance incrível de ampliar o placar com He-man na pequena área. Ao final da partida, fiquei com a sensação de que o descanso e o tempo para treinos foi muito positivo. Vimos que esse time é capaz de mostrar mais do que vem apresentando e evoluir até o final do ano. Que venha o clássico domingo e que os jogadores mantenham essa pegada, independente de quem for escaldo para o confronto. Acredito que Roger deva poupar um ou outro jogador, mas não vá com time reserva, ainda que tenhamos um importante compromisso pela Libertadores na próxima semana. De qualquer forma, é um excelente ponto para virar a página no Brasileiro e chegar mais perto de onde esperávamos estar na tabela nessa altura do campeonato.

 

Foto: Bruno Cantini/Divulgação